Pular para o conteúdo principal

Gestação consciente - Eleanor Luzes

Caros alunos da Embriologia!


Gostaria de divulgar a vocês, principalmente ao pessoal da Psicologia o link abaixo. O texto em pdf pode ser baixado. Trata-se de um dos capítulos da tese de doutorado de Eleanor Madruga Luzes.  Capítulo II - Gestação consciente. (http://media.wix.com/ugd/e5bd94_feb92b33bf4df4c2438aa7d0ca48ca74.pdf)
Eleanor é médica, psiquiatra, analista junguiana há 31 anos, trabalhou durante três anos em obstetrícia, foi professora primária.Tem mestrado em Psicologia, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e é doutora pelo Instituto de Psicologia da mesma universidade, com a tese de doutorado sobre a “Necessidade do Ensino da Ciência do Início da Vida” nas escolas do segundo e terceiro graus. Sua história e o restante da tese estão disponíveis no site abaixo. /http://www.cienciadoiniciodavida.org/

Comentários

  1. Interessantissimo!!! Muito grata por ter compartilhado este material!!!!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá professora,

    Esse texto é muito interessante e curioso. Me chamou bastante atenção a parte sobre memórias intra-uterinas - a maioria são positivas - e como elas estão intimamente ligadas com memória celular, e como elas se desenvolvem a partir de uma ligação com a mãe.
    Achei muito interessante, também, sobre a gustação deles dentro do útero, como o corpo deles se prepara e funciona para sugar, deglutir, e sentir os sabores de acordo com um grau mais avançado na gravidez.

    Gostei do texto, ainda que não tenha o lido na íntegra, ele complementou muitos tópicos que a professora deu em aula.

    Jady - Psicologia Unisul

    ResponderExcluir
  4. Oi professora,

    Hoje em dia ter filhos pelos motivos errados ou ter filhos pelos motivos certos, ou só ter filhos quando a decisão é consciente, planejada e assumida em sua plenitude é um aprendizado ainda muito pouco disseminado na nossa sociedade, esse aprendizado é fundamental para a criação de uma sociedade saudável em todos os seus aspectos.

    Augusto César - Psicologia Unisul

    ResponderExcluir
  5. Professora, a sessão 1 que trata sobre a "memória intra uterina" tem relação com a aula passada que você falou que a adaptação do bebê com a comida (papinhas, frutas) depende do tipo de alimentação que a mãe teve durante a gestação? Impressionante como todo o processo é interligado e culmina no início de uma vida saúdavel.

    Esse texto é muito importante para ressaltar a necessidade de uma maior disseminação sobre a importância de conceber e gestar um filhx.

    Clara - Psicologia/Unisul (matutino)

    ResponderExcluir
  6. Realmente muito curioso pensar como novas possibilidades de explorar a vida emocional e afetiva antes do nascimento revelam coisas incríveis durante nosso crescimento e desenvolvimento. Isso traz novas reflexões sobre os cuidados que uma gestação deve ter, não somente ao que acontece externamente, mas também na intimidade interna do mundo intra-uterino.

    Psicologia UNISUL - Matutino

    ResponderExcluir
  7. Esse trecho do capítulo II nos mostra algumas coisas muito interessantes, em que esses estudos intrauterinos já eram abordados apesar de não se possuir comprovações concretas (biológicas), através da hipnose é que foi possível se explorar esse meio. Achei muito bom também quando fala sobre problemas que as pessoas têm já adultas que são repercussões de alguns problemas na época do nascimento como nos relata no caso da enxaqueca onde o bebe teve o cordão umbilical cortado muito cedo a através da terapia conseguia-se reverter este caso.

    Sidney Mabile Junior
    Psicologia - UNISUL - Embriologia Humana (Matutino)

    ResponderExcluir
  8. Comentar um texto de tamanha envergadura e profundidade é um risco pois pode-se incorrer tanto em um comentário leviano demais ou ousado demais e sobretudo meramente opinativo. Porém uma coisa é certa que os dados trazidos pela pesquisadora nas poucas páginas que li, pois não tive a oportunidade de ler o trabalho na completude do seu conjunto, trazem à luz com uma clareza solar a questão da vida intra uterina e o alto grau de resposta do concepto aos estímulos a que a mãe se submete ou provoca em si mesma. Se outrora isto era apenas visto como folclore ou crendice os dados científicos apontados retiram da penumbra do popular trazendo a questão para dentro dos paradigmas da ciência. Embora possa-se dizer que inferências, por ser um meio indireto não são provas cabais, fato é que retira o leitor, a mim, do cômodo lugar de minhas convicções e me obriga a pensar. Se minhas convicções estão de acordo com os achados científicos, estes me serviram de lenitivo e tranquilizador. Se porém minhas posições culturais vão de encontro ao reportado para mantê-las terei a árdua, senão impossível, tarefa de refutar através de comprovação e não apenas de mera opinião. Caso contrário estaria, se possível fosse, desprezando todo o arcabouço científico para a manutenção de uma posição carreadora de satisfação ao meu ego. Valdenir Marcondes- Psi Unisul - Trajano

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Professora Ingrid, é realmente muito interessante saber como pensamentos, sentimentos e atitudes das mães durante a gravidez afetam diretamente os bebês. Incrível também como isso influencia no desenvolvimento psicológico, o que nos faz perceber a ligação e a importância de sua disciplina para a Psicologia.
    Gabriela Machado - Psicologia Unisul Trajano (matutino).

    ResponderExcluir
  11. Professora, fico impressionada como a tecnologia de hoje e o interesse nos estudos mais específicos das mais diversas áreas nos remetem a descobertas minimalistas de detalhes e a comprovação científica de conhecimentos e tradições mais antigas.
    É incrível a capacidade de um ser humano gerar outro ser humano com uma nova consciência e toda a interação desse desenvolvimento embrionário que acontece. Os bebês se comunicam de uma forma muito singular, desde o choro, os movimentos e o silêncio.
    Obrigada.
    Giuliana Camilotti- Psicologia Unisul Trajano (matutino).

    ResponderExcluir
  12. É muito impressionante a forma como a vida intra-uterina pode influenciar posteriormente em várias questões da constituição do sujeito. Destaca-se assim, a importância de uma gravidez consciente e saudável, tanto para a gestante, assim como para o bebê e para toda a família envolvida no processo.
    Luiza Schmidt Mescolotto
    Psicologia - 1ª fase
    Unisul

    ResponderExcluir
  13. A conscientização e significação do processo do nascimento como um todo (desde a vida intra-uterina e como é influenciada, por exemplo) em conjunto da evolução científica (incluindo o aporte que essa possui para oferecer) é sem dúvidas um conceito em desenvolvimento que merece ainda mais buscas para seu aprimoramento. Apesar de não conhecer o trabalho aqui publicado em sua íntegra, reconheço o interesse na abordagem que me foi apresentada até então.
    Lucas Nelson Nunes Scapini - Psicologia - Unisul Trajano (matutino).

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Achei muito interessante a parte do texto que aborda sobre as memorias intra-uterinas a respeito da importância da conexão com a mãe, sendo assim a criança poderá ter essa memória positiva ou negativa dependendo de como a mãe se relaciona com a gravidez, ou seja, se houver um planejamento a criança consegue se lembrar futuramente dessa memória, o mesmo ocorre se houver a rejeição na gravidez,e isso poderá refletir em vários problemas físicos e psicológicos no decorrer da vida da criança.
    Bárbara Luize - Psicologia - Unisul Trajano (matutino).

    ResponderExcluir
  16. Professora, achei legal essa questão do desenvolvimento intrauterino porque é uma questão que bate de frente com a percepção de outros autores que estamos vendo ao longo do curso de psicologia, como wallon e vigostyk que afirmam a importância do desenvolvimento intrauterino e há contradições como a teoria de Piaget em que não há desenvolvimento do sujeito nessa fase. Mas essas considerações mostram que a relação entre mãe e filho se iniciam desde o inicio da gestação, e isso remete a importância de uma boa condição tanto social, educacional e saudável na mãe para que ocorra um desenvolvimento tanto memorial quanto sensível na criança. essa conexão única é presente em toda a vida de ambas as partes, por isso deve-se preservar ao máximo.
    Vinicius Mucillo Gamba- Unisul trajano- psicologia/noturno.

    ResponderExcluir
  17. A Eleanor realmente consegue trazer vários autores que pesquisam e apresentam a memória intrauterina como sendo comprovada. Não li outros autores que discordem e também comprovem essa discordância, mas não consigo pensar em algo diferente disso. Concordo plenamente com ela quando diz: "Este é um momento de transformação da humanidade, e a Pedagogia será o veículo da grande transformação de saúde física, mental e espiritual, trazendo ao planeta uma nova e duradoura era de paz". Espero que estudos como esse possam influenciar cada vez mais as pessoas, para que possamos considerar o outro em todos os momentos de sua vida.
    Franciely Dal Grande Rosa - Unisul Trajano - psicologia noturno

    ResponderExcluir
  18. Gostaria de destacar deste texto o desejo do casal ou dos pais na concepção de uma criança, isso faz toda a diferença na vida da criança, ou seja, no desenvolvimento da criança, no relacionamento do casal e também no desenvolvimento psicológico. Mas, também discordo quando a autora usa de misticismo, como a escuta de voz, luz e dentre outros. Certo, que o comportamento dos pais influenciará a criança seus sentimentos, pensamentos e emoções. Cássio Manuel Baêta Mendes- Unisul Trajano- Psicologia Noturno

    ResponderExcluir
  19. Gostaria de destacar deste texto o desejo do casal ou dos pais na concepção de uma criança, isso faz toda a diferença na vida da criança, ou seja, no desenvolvimento da criança, no relacionamento do casal e também no desenvolvimento psicológico. Mas, também discordo quando a autora usa de misticismo, como a escuta de voz, luz e dentre outros. Certo, que o comportamento dos pais influenciará a criança seus sentimentos, pensamentos e emoções. Cássio Manuel Baêta Mendes- Unisul Trajano- Psicologia Noturno

    ResponderExcluir
  20. É impressionante essa conexão que a mãe tem com o bebê já antes do nascimento, e também a importância de uma gestação saudável e tranquila. É importante pontuar como as condições psicológicas, sociais e emoções sentidas pela mãe durante a gestação podem interferir na formação da personalidade do bebê.
    Eu achava que os estudos sobre a memória intra-uterina fossem mais recentes e achei curioso como as várias técnicas utilizadas, desde hipnose até o uso de lsd, contribuíram para as investigações e resultados que temos hoje.
    Gratidão por compartilhar esse material!
    Mariele Gomes - Unisul Pedra Branca - Psicologia Noturna

    ResponderExcluir
  21. Que texto incrível, como é maravilhoso a ligação mãe e bebê, as emoções compartilhadas da mãe que fazem toda diferença na formação de personalidade do bebê.

    Emilly Aviz - Psicologia, matutino - Unisul.

    ResponderExcluir
  22. A leitura deste trabalho me fez refletir e lembrar das minhas duas gestações, que graças a Deus, tive a oportunidade de ter consciência e planejamento de toda a minha gestação, desde de antes mesmo de engravidar sempre me preparei pois sempre tive o sonho de ser mãe e para mim, mãe que é mãe, quer o melhor para o seu filho sempre, mesmo antes dele ser gerado. Ter consciência de que se está gerando um,a vida é extremamente importante e crucial para a saúde e desenvolvimento do novo ser, mas infelizmente nem sempre se dá desta forma. Portanto, este espaço que aqui está sendo aberto por vc, Professora, é muito importante. Parabéns!!!!
    Lilia, Centro de Florianópolis - Trajano (matutino).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lilia! Parabéns pela escolha consciente! Somos todos responsáveis em permitir e promover mais discussões sobre o tema. Abraços!

      Excluir
  23. Professora, a sessão que fala sobre a "memória intra uterina", era o que você tinha dito sobre o bebê começar a se adaptar com as comidas normalmente que a mãe costuma comer né? É tudo muito surpreendente, como ocorre todo o processo e como o bebê e a mãe tem uma relação de união! Como o exemplo que você disse no nosso ultimo debate, que se a mãe está estressada, o bebê sente e é necessário uma conversa para que tranquilize e faça a criança perceber que o problema é externo, não com ela.
    Achei muito interessante esse texto professora,
    Patricia Bolzan Frantov
    Psicologia matutino Unisul Trajano

    ResponderExcluir
  24. Professora, como é fascinante estudar a parte biológica do ser humano. Esse texto me despertou questões que e fizeram pesquisar mais sobre o assunto vinculo mãe-bebê. É indescritível falar sobre tantos fatores que influenciam nessa ligação. Queria ressaltar sobre a questão do bebê ter uma percepção sensorial. Se a mãe fica assustada, ela libera substancias que também vão agir no filho. Ansiedade, nervosismo e depressão também também podem ser transmitidos quimicamente por hormônios. Em suma, é importante que a mãe e o bebê passem por esses meses juntos e o mais importante, que passem bem, saudáveis.
    Alexandra Danúbia Charmen Corrêa
    Psicologia matutino Unisul Trajano

    ResponderExcluir
  25. O texto é muito interessante, e não sabia que já existiam estudos desde o final do século XIX sobre as diferentes áreas no desenvolvimento fetal e a influência de fatores epigenéticos durante a gestação. As partes do texto que mais me atraíram foram as que falam sobre a memória intra-uterina, atividade auditiva, atividades oníricas (sobre os sonhos) do feto e da mãe e sobre o estresse materno na gravidez e as consequências negativas que este pode ocasionar, tanto no período pré-natal como no pós-natal. Fiquei pensando sobre como o feto já passa por tantas experiências sensoriais, mais do que eu sabia. Penso que a principal contribuição desse capítulo da tese de Eleanor Luzes é incentivar uma reflexão mais profunda sobre como uma gestação pode transcorrer de uma forma mais tranquila, mais saudável, se for maior o conhecimento sobre todos esses eventos pelo qual o feto passa, tudo o que já sente o como manifesta aquilo que sente, como é importante a gestante se conscientizar e ficar mais atenta tanto a fatores positivos ou negativos que podem afetar o desenvolvimento do feto e o vínculo mãe-bebê.
    (Camomila Möllerstrand - Psicologia Unisul Trajano/matutino)

    ResponderExcluir
  26. Professora, muito legal essa reflexão da influência do período fetal na vida do indivíduo, é uma variável psicológica bastante importante.
    Tatiana Suckau Mendez

    ResponderExcluir
  27. Boa tarde professora Ingrid,
    Muito interessante o texto publicado, para um futuro psicólogo o saber sobre a vida intra uterina é muito importante, como lidar com uma paciente em processo de gravidez e suas interações com a psique do bebê, destacando a importância da mãe em relação à nutrição e a as influências ao comportamento do feto. Eu diria que é impressionante como evoluímos no ventre materno e como aprendemos muito, sem ainda ter tido contato algum com o mundo externo.

    Lucas Amante Machado - Psicologia Trajano, Matutino

    ResponderExcluir
  28. Devo admitir que estou surpreso com todo esse processo de memória intra-uterina e fatores epigenéticos influenciando no vínculo mãe-bebê (e também bebê-mãe, eu acho). Uma gravidez saudável é muito importante tanto para a mãe quanto para o bebê, e a manutenção desse vínculo é importantíssima, influenciando até mesmo posteriormente no desenvolvimento de uma relação entre o filho e a mãe após o parto. Todo o processo de evolução de um pequeno embrião para um feto é incrível, assim como o fato do bebê sentir as consequências de muitas coisas que, infelizmente pra muita gente, são "normais" — como fumar.

    Gabriel Pellizzaro - Psicologia Trajano, Matutino

    ResponderExcluir
  29. A gravides consciente e saudável, influencia em diversos aspectos a vida que esta se formando no ventre da mãe, pois este texto só comprova a ligação entre a mãe e seu filho, mostrando que desde a vida intra-uterina as relações são muito fortes e podem trazer diversas consequências posteriormente no desenvolvimento do bebê. Incrível como as emoções, sentimentos e a vida que a gestante leva , podem influenciar de tal forma o crescimento desta vida que esta em processo de formação, isso enfatiza ainda mais a importância de um gestação saudável, com os devidos cuidados e a reflexão das consequências que os atos durante uma gravidez podem trazer.
    Unisul – curso de psicologia - período matutino

    ResponderExcluir
  30. Este olhar mais atento e preocupado com a gravidez é importante para que se possa compreender como as variáveis presentes em uma gestação influenciam de forma significativa a constituição de uma nova vida. Desta forma, vale ressaltar o quão essencial é a disseminação de informações acerca das consequências destes fatores epigenéticos com o intuito de promover uma nova percepção diante da gravidez e de como é possível torná-la um procedimento mais saudável, tanto para a mãe quanto para o bebê.
    Tatiane Garceis - Psicologia(matutino) - Trajano

    ResponderExcluir
  31. Acredito que o texto aborda, em geral, uma questão fundamental e que está esquecida pela maioria de nós hoje em dia: o conhecimento. Tomamos decisões sem nem ao menos sabermos sobre o que elas interferem e no que realmente possuem importância. A vida de uma pessoa pode ser caracterizada por fatores que podem ser cuidados ainda na vida intrauterina, não apenas orgânicos, mas também emocionais. O conhecimento sobre o que uma gestação realmente é, significa e de como ela é decisiva para a vida do bebê dali em diante é muito importante para, desde o início, ela ser desenvolvida da forma consciente, onde a mãe saberá no que isto resultará para o seu futuro filho e também para ela mesma. Esta consciência deve resultar de inúmeros fatores que devemos saber que, mesmo não parecendo, serão decisivos para o bebê em formação, entre eles, alimentação, uso de substâncias, emoções e pensamentos.

    Victória Valmórbida
    Psicologia matutino - Unisul Trajano - 1ª fase

    ResponderExcluir
  32. Texto muito bem escolhido professora!
    O que mais me chamou atençao nele foi sobre as memorias intra-uterinas. Inceivel como a tecnologia permite cada vez mais apronfundar nos estudos.

    Suyane Ribas
    Psicologia trajano

    ResponderExcluir
  33. Muito importante o conhecimento sobre a vida e a memória intra uterina para o trabalho do psicólogo. De maneira geral as pessoas se preocupam como a alimentação e o uso de medicamentos podem afetar o desenvolvimento e a vida do feto, mas infelizmente não é de conhecimento geral o impacto do estado mental e emocional materno para o bebê. Interessante saber que pesquisas sobre esse assunto datam de 1900, período em que já se buscava saber mais a respeito da memoria intra uterina e os seus impactos na vida pós natal. É de suma importância esse conhecimento pela população em geral, principalmente as gestantes.

    Renata Medeiros Cardoso Coelho.
    Psicologia matutino - Unisul Trajano - 1a fase

    ResponderExcluir
  34. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  35. Achei bem interessante a parte em que fala da sensibilidade dolorosa do feto, que pode ser vista já a partir da 12º semana de vida intra-uterina. Sendo que antigamente os cirurgiões não davam anestesia acreditando que os fetos não sentiam dor, acredito que isso tem relação com o texto que estudamos da aula "emoções compartilhadas", que no início dizia
    que por muito tempo se acreditava que o útero humano era como se fosse um paraíso para o feto, como se ele estivesse protegido de tudo e só experienciasse coisas boas.

    O texto é muito bom para aprofundar ainda mais os conhecimentos que adquiri durante sua matéria.

    Pamela Angst
    Psicologia - Trajano

    ResponderExcluir
  36. Saber que muitas pessoas possuem memoria intra-uterinas parece ser algo impossivel de acreditar para muitos, mas, segundo o estudo feito, é totalmente possível. Pessoalmente, acho este um fato impressionante, já que possuímos dificuldade em lembrar de acontecimentos vividos à anos atrás, quem dirá memórias intra-uterinas. Porem, fatos são fatos! Esse texto ressalta a importância de uma gravidez saudável e consciente, como já discutimos em aula. Conversar com o bebê, acarinhar, explicar situações de estresse... Tudo para transformar essa etapa de vida o mais confortável e saudável possível, tanto para a mãe quanto para o futuro bebê.

    Rafaela Dalsenter
    Psicologia matutino primeira fase
    Unisul trajano

    ResponderExcluir
  37. Sem dúvidas, o texto relata com foco na importância de uma vida intra-uterina, vale ressaltar, que é imprescindível os cuidados que devem ser tomados ao longo da gestação, para que assim, tenha resultados positivos, durante, e posterior a gestação. O bebê assim, sofendo as consequencias de um feto, uma vida que estava a ser gerada, além dos fatores psicológicos agindo em conjunto.

    Camila Junkes
    Psicologia Matutino 1ªfase
    Unisul Trajano

    ResponderExcluir
  38. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  39. Achei um texto muito interessante eu gosto muito de uma visão diferente da psicologia mesmo que eu esteja fazendo psicologia na unisul meu nome é Augusto professora

    ResponderExcluir
  40. Achei um texto muito interessante eu gosto muito de uma visão diferente da psicologia mesmo que eu esteja fazendo psicologia na unisul da trajano meu nome é Augusto e faço embriologia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você leu o texto? Não parece, tem tudo a ver com a Psicologia!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Faz tempo, mas venho com um artigo show!!!!

Oi, povo amado!

Depois de algum tempo consigo estar aqui e postar novamente. Correria pura, me desculpem!
Bem, hoje fazendo minhas leituras semanais me deparei com este artigo no site do Massachusetts Intitute of Techonology, mais especificamente no link MIT NEWS.

“Body on a chip” could improve drug evaluation"
A Dra. Linda Griffith criou em seu laboratório uma espécie de chip capaz de conter até dez diferentes tipos de tecido humanos que receberão ao mesmo tempo, por uma espécie de bomba um fluido contendo a droga a ser testada. Tal façanha permite avaliar como os tecidos reponde de forma integrada a administração de uma determinada droga! Sensacional! Não podia deixar de postar!
O artigo na integra encontra-se no link abaixo. Não deixe de ler! É só clicar no título abaixo.

Body on a chip


O Renascimento do Parto 2 - PROMOCIONAL com parto pélvico - 2016

As primeiras palavras são fortes e esclarecedoras. As cenas falam por si! Lindíssimo!!! Emocionante!

Cenas de parto!