Pular para o conteúdo principal

Trompas uterinas são reservatório de céluas tronco!


A notícia logo ganhou os sites dos principais jornais do mundo, lançando luz sobre o futuro da medicina regenerativa e do estudo da infertilidade feminina. Cientistas do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP) descobriram uma rica fonte de células-tronco, até então ignorada e jogada no lixo pelos hospitais, depois de cirurgias: as trompas de Falópio (ou tubas uterinas) — canais que ligam o útero aos ovários. Além de depararem com um novo reservatório de células-tronco, os pesquisadores conseguiram diferenciá-las em músculo, gordura, osso e cartilagem.Por telefone, a bióloga Tatiana Jazedje, principal autora da pesquisa publicada na revista científica Journal of Translational Medicine, afirmou ao Correio que o achado ocorreu por acaso. “Nosso objetivo não era obter células-tronco. Nós pretendíamos cultivar células normais das trompas de Falópio para que elas nos auxiliassem a cultivar as células-tronco embrionárias humanas.” Os cientistas perceberam, porém, que elas se multiplicavam muito rapidamente.O passo seguinte foi testar essas células em laboratório. Foi quando se deu a diferenciação. “Provamos que as trompas possuem células-tronco em grande quantidade. A questão não é nem o fato de elas existirem, mas de acharmos que isso abrirá várias perspectivas de estudo da infertilidade feminina”, destaca a especialista. Segundo Tatiana, o potencial dessas estruturas para uso na medicina regenerativa é promissor. “Agora, usaremos essas células em modelos animais, a fim de verificar se elas também podem se transformar em osso, gordura, cartilagem e músculo. Só depois vamos usá-las em seres humanos”, esclarece. Apesar da euforia da descoberta, a bióloga afirma que ainda não há previsão para uma nova terapia regenerativa e defende a continuidade das pesquisas com células-tronco embrionárias humanas. “Temos muito a aprender com elas e não creio que a nova fonte vá contra esse estudo.”Diretor da Divisão de Medicina Reprodutiva do Centro Especializado em Reprodução Humana e coautor da pesquisa, Paulo Perin contou à reportagem que a recente identificação de células-tronco no útero e no sangue menstrual levou a equipe a imaginar que as trompas também pudessem fornecê-las. “Separamos os fragmentos de seis tubas uterinas das pacientes que se submeteram à laqueadura e à retirada das trompas. Então, identificamos essas células e as cultivamos, para verificar a expansão de sua disseminação em cultura”, afirma. Segundo ele, a quantidade de células-tronco recuperada a partir do material descartado foi muito grande. “A multiplicação dessas células foi tão intensa que temos um enorme estoque de células-tronco”, comemora Perin.O especialista também defende as pesquisas com as células-tronco embrionárias, mas admite que o atual estudo resolve a exigência de se produzir embriões para tratar um determinado paciente. Agora, os cientistas querem centrar esforços no uso dessas estruturas para o cultivo de embriões. “Pretendemos avaliar se embriões de pacientes inférteis se desenvolvem melhor em cultura de células-tronco retiradas das trompas”, observa.Em Boston, minutos antes de embarcar para o Brasil, a geneticista Mayana Zatz — coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano — destacou a capacidade de diferenciação das novas células-tronco. “O avanço é importante, mas nossa equipe está trabalhando para fazer mais descobertas”, garante. Ela também defende as pesquisas com células-tronco embrionárias, diante da ampla capacidade de diferenciação dessas estruturas.Fonte: Correio Braziliense
Postado por Assessoria de Comunicação às 09:58 no http://www.bionarede.blogspot.com/
Também encontrado na Folha de SãoPaulo de 19/06/2009

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gestação consciente - Eleanor Luzes

Caros alunos da Embriologia!

Gostaria de divulgar a vocês, principalmente ao pessoal da Psicologia o link abaixo. O texto em pdf pode ser baixado. Trata-se de um dos capítulos da tese de doutorado de Eleanor Madruga Luzes.  Capítulo II - Gestação consciente. (http://media.wix.com/ugd/e5bd94_feb92b33bf4df4c2438aa7d0ca48ca74.pdf) Eleanor é médica, psiquiatra, analista junguiana há 31 anos, trabalhou durante três anos em obstetrícia, foi professora primária.Tem mestrado em Psicologia, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e é doutora pelo Instituto de Psicologia da mesma universidade, com a tese de doutorado sobre a “Necessidade do Ensino da Ciência do Início da Vida” nas escolas do segundo e terceiro graus. Sua história e o restante da tese estão disponíveis no site abaixo. /http://www.cienciadoiniciodavida.org/

Faz tempo, mas venho com um artigo show!!!!

Oi, povo amado!

Depois de algum tempo consigo estar aqui e postar novamente. Correria pura, me desculpem!
Bem, hoje fazendo minhas leituras semanais me deparei com este artigo no site do Massachusetts Intitute of Techonology, mais especificamente no link MIT NEWS.

“Body on a chip” could improve drug evaluation"
A Dra. Linda Griffith criou em seu laboratório uma espécie de chip capaz de conter até dez diferentes tipos de tecido humanos que receberão ao mesmo tempo, por uma espécie de bomba um fluido contendo a droga a ser testada. Tal façanha permite avaliar como os tecidos reponde de forma integrada a administração de uma determinada droga! Sensacional! Não podia deixar de postar!
O artigo na integra encontra-se no link abaixo. Não deixe de ler! É só clicar no título abaixo.

Body on a chip


O Renascimento do Parto 2 - PROMOCIONAL com parto pélvico - 2016

As primeiras palavras são fortes e esclarecedoras. As cenas falam por si! Lindíssimo!!! Emocionante!

Cenas de parto!